Martha Brown, a verdadeira Tess dos D’Urbevilles

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Martha Brown, uma assassina condenada, inspirou o autor Thomas Hardy (1840-1928), depois que ele testemunhou sua execução em 1856.

Sábado, 9 de agosto de 1856, Elizabeth Martha Brown foi enforcada em frente à prisão de Dorchester. Um mês antes, ela havia matado seu marido John com vários golpes de machadinha na cabeça. O casamento, nem é preciso dizer, não foi feliz. Ela era governanta e ele, criado na Fazenda Blackmanston. Dizia-se que ela era uma mulher bonita, com uma bela cabeça com cabelos grossos e encaracolados, mas era 20 anos mais velha que o marido e, geralmente, se pensava que ele se casou com ela por dinheiro. Suas economias de £ 50 libras permitiram que o casal se mudasse para Birdsmoorgate, em Marshwood Vale, e abrisse uma loja. Logo ela suspeitou que ele estava tendo um caso com uma mulher mais jovem, Mary Davis, que tinha uma loja perto da deles e, de acordo com Martha, ele se tornou verbal e fisicamente abusivo com ela.

Imagem de um teatro organizado em Dorchester, Dorset, sobre a vida e a morte de Elizabeth Martha Brown

A princípio ela negou tê-lo assassinado. Ela alegou que ele levara um coice na cabeça de um cavalo a 200 metros de casa e de alguma forma voltara para casa, onde morreu. Um médico descobriu que não havia como ele voltar para casa com os ferimentos que havia sofrido. Martha manteve a sua história, mas o júri do tribunal de Dorchester não foi persuadido, condenando-a à forca. Acreditava-se amplamente que a sua insistência em manter a sua história patentemente falsa selou a sua condenação, que se ela tivesse confessado e se arrependido, a sua vida teria sido poupada. Além da mentira do coice do cavalo, seu comportamento calmo no julgamento foi interpretado como insensibilidade.

Pouco antes de ser executada, Martha Brown assinou uma confissão completa

“Meu marido, John Anthony Brown, falecido, chegou em casa na manhã de domingo, 6 de julho, às duas horas, bêbado. Ele não estava de chapéu. Perguntei-lhe o que ele tinha feito com o chapéu. Ele abusou de mim e disse: ‘O que isso tem a ver com você, maldita?’ Ele então pediu um chá, mas estava frio. Eu disse que não tinha nenhum, mas que iria esquentar. Ele respondeu: ‘Beba isso você mesma e morra.’ Eu então disse: ‘O que deixa você tão zangado? Você esteve na casa de Mary Davis?’ Ele então chutou a parte inferior da cadeira em que eu estava sentada. Continuamos brigando até cerca das três horas da madrugada, quando ele me deu uma forte pancada na lateral da cabeça, o que me desestabilizou tanto que fui obrigada a me sentar. O jantar estava na mesa e ele disse: ‘Coma você mesma e morra.’ Ao mesmo tempo, ele pegou perto da lareira um chicote pesado, de ponta plana, e me bateu nos ombros com isso três vezes. Cada vez eu gritei de dor. Eu disse: ‘Se você me bater de novo eu vou gritar que está tentando me assassinar’. Ele respondeu: ‘Se você fizer isso, vou chutar seus miolos pela janela.’ Ele também acrescentou: ‘Espero encontrar você morta pela manhã.’ Ele então me chutou no lado esquerdo, o que me causou uma dor alucinante, e imediatamente se abaixou para desamarrar as botas. Fiquei muito furiosa e, numa paixão incontrolável, ao ser tão maltratada e espancada, agarrei uma machadinha que estava perto de onde eu estava sentada, e que eu a estava usando para quebrar o carvão para manter o fogo aceso, e com ela (a machadinha) dei-lhe vários golpes violentos na cabeça. Eu não saberia dizer quantos. Ele caiu ao primeiro golpe, com o rosto voltado para a lareira. Ele não falou ou se mexeu depois. Assim que fiz isso, desejei não ter feito, e teria dado o mundo para não o ter matado. Eu nunca tinha batido nele antes, depois de todos os seus maus-tratos, mas, quando ele me bateu com tanta força naquele momento, eu estava quase fora de mim e mal sabia o que estava fazendo.”

Cadafalso

Ao que tudo indica, Martha estava serena e calma enquanto subia no cadafalso. Seus atendentes e o capelão ficaram mais chateados do que ela. O carrasco amarrou uma corda em volta do vestido na altura dos tornozelos para evitar que o vestido voasse e a expusesse durante a queda. Um capuz branco foi colocado sobre sua cabeça. O Reading Mercury de 16 de agosto de 1856 relatou que “a infeliz mulher caiu com grande força e depois de algumas lutas deixou de existir”.

O último enforcamento em Dorset

Martha Brown foi a última mulher a ser enforcada publicamente em Dorset. Dorchester, que tinha uma história secular de execuções públicas excepcionalmente brutais, não presenciava um enforcamento há 26 anos e as pessoas se aglomeraram para ver esta mulher dar seu último suspiro. Cerca de 4.000 pessoas lotaram a Praça Norte para o renascimento do que antes era chamado de “feiras suspensas”. Um dos espectadores era um aprendiz de arquiteto de 16 anos chamado Thomas Hardy. O enforcamento de Martha Brown deixou uma impressão indelével no jovem, tanto que 35 anos depois ele escreveria um romance sobre uma heroína trágica que apunhala a cabeça do agressor que arruinou sua vida e é enforcada por isso.

Escrever Tess’Urbervilles não conseguiu exorcizar a memória de Martha Brown

Setenta anos depois, em 1925, Thomas Hardy se viu no antigo reduto de Martha quando visitou a propriedade de Racedown, em Marshwood Vale, onde Wordsworth e Coleridge haviam ficado. Ele pediu à proprietária do Racedown, Lady Hester Pinney, que descobrisse mais sobre Martha Brown. Em correspondência com Lady Hester, ele explicou sua ligação pessoal com o caso.

“Tenho vergonha de dizer que a vi ser enforcada, minha única desculpa é que eu era apenas um jovem e tinha que estar na cidade naquela época por outros motivos… Lembro-me da bela figura que ela exibia contra o céu enquanto se pendurava em meio à chuva enevoada e como o vestido justo de seda preta realçava sua forma enquanto ela girava meia volta e voltava. O enforcamento em si não me comoveu em nada. Mas continuei sentado depois que os outros foram embora, sem pensar, mas olhando a figura… girando lentamente na corda. E então começou a chover (eu vi que eles tinham colocado um pano no rosto dela) e quando o pano ficou molhado, as feições dela apareceram. Isso foi extraordinário! Um menino havia subido em uma árvore próxima e, quando ela caiu, ele desmaiou, como uma maçã caindo de uma árvore. Foi curioso os dois terem caído juntos.”

A segunda esposa de Hardy, Florence, também escreveu à Lady Pinney: “É claro que o relato que TH faz do enforcamento é vívido e terrível. Que pena que um menino de 16 anos tivesse tido permissão de ver tal espetáculo. Isso pode ter dado um toque de amargura e tristeza ao trabalho de sua vida.”

Gemma Arterton in a BBC presentation. ‘Tess’ has been made into a movie eight times

Um pouco mais que um tom, eu diria. No ano seguinte, Lady Pinney visitou Hardy e conversaram sobre Tess e Martha “cujas histórias têm muito em comum, como se estivessem na sala ao lado. Sua simpatia por essas mulheres infelizes foi maravilhosa.”

A prisão de Dorchester foi fechada em 2013 e os incorporadores planejam construir casas no local. Uma pesquisa arqueológica encontrou restos humanos, não no cemitério da prisão, mas fora do terreno consagrado. Isto não foi inesperado. Os mortos da prisão de Dorchester foram enterrados em um cemitério no local e fora dele. Os restos mortais foram deixados no local e aqueles que forem perturbados por futuras construções serão removidos e enterrados novamente. A questão é que um desses indivíduos enterrados pode ser Martha Brown, e há muitos fãs de Thomas Hardy que querem que essa possibilidade seja explorada.

Nick Gilbey, cineasta residente em Dorset e fã de Hardy, disse: “Não acho que seria muito difícil estabelecer se algum dos restos mortais é de uma mulher. Se forem, é quase certo que sejam os restos mortais de Martha.

Ele disse que um exame completo do local da prisão deveria ser realizado. “Acho que mais trabalho precisa ser feito e precisamos garantir que todos os restos encontrados lá recebam um enterro adequado e decente. Martha é uma figura histórica importante por causa de Thomas Hardy”.

2 respostas

  1. Ouvi sobre Martha na live de ontem e fiquei impressionada com essa história. Muito triste e comovente, como as mulheres sempre sofreram nessa vida. Principalmente nos séculos passados, eram traídas e humilhadas, espancadas e sem voz. Triste 🙁

    O texto é simplesmente fantástico Chirlei. Parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco + dezoito =

Inscreva-se Em Nossa Newsletter

Receba nossas atualizações e leia o melhor da literatura clássica aqui

Explore Mais

Quer conhecer mais e ter acesso exclusivo!

Assine a melhor literatura clássica disponível no Brasil