A DAMA QUIXOTE, OU ARABELLA, DE CHARLOTTE LENNOX

Arabella foi lido por Jane Austen. A admiração de Austen pelo trabalho dessa autora é expressa em uma de suas cartas para sua irmã Cassandra: “[...] Mudamos para The Female Quixote, que é agora a diversão de nossas noites; para mim, uma grande diversão...”

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O romance foi bem-sucedido a ponto de ter agradado dois inimigos conhecidos: os romancistas Samuel Richardson, autor de Pamela, e Henry Fielding, autor de Tom Jones.

Este texto foi escrito pela querida Claire Scorzi

Arabella é um romance inglês publicado pela primeira vez em 1752. Sua autora, Charlotte Lennox, era amiga de Samuel Johnson, um dos intelectuais mais respeitados de sua época, e mesmo de épocas posteriores; o crítico Harold Bloom o aponta como um modelo.  

O romance foi bem-sucedido a ponto de ter agradado dois inimigos conhecidos: os romancistas Samuel Richardson, autor de Pamela, e Henry Fielding, autor de Tom Jones. Fiquei imaginando como Arabella teria obtido essa façanha, e arrisco um palpite: a obra de Lennox é suficientemente engraçada – aliás, bastante engraçada – para satisfazer Fielding, e é, ao mesmo tempo, de um humor de bom gosto, ou seja, sem nada de obsceno, o que certamente agradou a Richardson. O que prova minha teoria de que é possível fazer humor, humor legítimo, sem apelos de gosto duvidoso.  

ROMANCES FRANCESES

Arabella é uma jovem rica, bonita e culta, inclusive inteligente (Lennox não deixa de nos provar isso, estabelecendo outra regra de ouro para o leitor: não se deve confundir ingenuidade, inexperiência, com falta de inteligência), que só teria um defeitinho: criada lendo antigos romances franceses repletos de situações exageradas e estapafúrdias, ela passou a acreditar que tudo aquilo que seus queridos livros lhe contam é a verdade; absoluta verdade! E vive de acordo com isso.  

As extravagâncias de Arabella por conta de suas crenças formam o teor humorístico do romance, e rimos muito. Este foi, com certeza, um dos romances que mais me fez dar gargalhadas; o objetivo satírico da autora é atingido, mas podemos, ao fim, ficar nos perguntando: Charlotte Lennox quis condenar a leitura de romances? 

JANE AUSTEN

Parece-me que não; porém Charlotte Lennox não deixa seu objetivo tão claro quanto uma de suas leitoras, depois escritora famosa, deixaria: ao lermos A Abadia de Northanger (1798; publicado só em 1818), de Jane Austen, Austen deixa registrado, com todas as palavras, que não está condenando o fazer e o ler romances, e ainda diz (como narradora) que “os romancistas não devem desertar de sua própria causa”. Na obra de Austen, a leitura de romances góticos leva ao exagero de imaginação de sua heroína, Catherine. Mas é a reação excessiva que a autora está condenando, não a leitura em si.  

DOM QUIXOTE

Falando em A Abadia de Northanger, é preciso dizer que Catherine será uma das heroínas a compor a linhagem de personagens que vem, desde Dom Quixote de La Mancha (1605-1615), de Cervantes, chegando a Arabella, de Charlotte Lennox, e chegando ainda, com vestígios da mesma imaginação romântica exacerbada, até Eustacia Vye, de O Retorno do Nativo (1878), de Thomas Hardy, alcançando o século XX, com o idealismo e patriotismo estrambótico de Policarpo Quaresma, o queridíssimo herói de Triste Fim de Policarpo Quaresma (1911) de Lima Barreto. Todos têm em comum uma excentricidade de convicções e crenças que determinam seu comportamento bizarro – e engraçado.  

QUE O LEITOR JULGUE

A notar: as escritoras foram mais benevolentes com suas figuras excêntricas do que os escritores; é como se os autores homens acreditassem que o único destino possível para o estranho, o esquisito, para aquele que é incomum, fosse a morte ou a prisão. Já as autoras mulheres pareceriam, à primeira vista, acreditar que a “cura” da estranheza é possível, e, portanto, que o destino de suas heroínas pode ser feliz. Seria essa diferença fruto da inconformidade masculina, e do seu oposto, a tendência ao apaziguamento, à adaptação, comum à natureza feminina? Ou as mulheres, devido à sua própria experiência, tendem a ser esperançosas, visto que, através da história, apesar de tudo, muitas de nós sobrevivemos? Quem sabe?  

Que o leitor ou leitora julgue.  

Adquira em www.clubedeleitorespedrazul.com.br

Uma resposta

  1. Só de ler a resenha já me deu vontade de pegar o livro. Assim que conseguir um espacinho já coloco ele no alto da pilha!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze − seis =

Inscreva-se Em Nossa Newsletter

Receba nossas atualizações e leia o melhor da literatura clássica aqui

Explore Mais

Quer conhecer mais e ter acesso exclusivo!

Assine a melhor literatura clássica disponível no Brasil