A FORMAÇÃO DE UMA MARQUESA

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

E Os Métodos de Lady Walderhurst

Publicado pela primeira vez em 1901, a Formação de uma Marquesa é a história de uma “cinderela”, que é apreciada mais de um século depois! O lançamento da Pedrazul trouxe também, neste mesmo volume, a continuação da história: Os Métodos de Lady Walderhurst.

O livro traz Emily Fox-Seton, uma humilde solteirona, que vive sozinha em um quarto alugado minúsculo e com uma renda escassa. Ela é a pessoa com quem todos contam, mas que ninguém se esforça muito para ajudar. Emily trabalha como dama de companhia e assistente de vários membros da nobreza e sua principal empregadora é lady Mary Bayne. Convidada por lady Mary para passar o verão em sua casa de campo, Emily estava feliz por desfrutar da natureza e apenas poder estar perto daquelas lindas damas e cavalheiros que ela tanto admira de longe. Mas o destino tinha uma surpresa para ela.

UMA HEROÍNA POBRE

Emily nunca pensou em ser mais do que uma simples trabalhadora. Com pouco dinheiro, e já considerada velha para um casamento aos seus 34 anos, ter parentes distantes na nobreza e prestar serviços para algumas ladies era o mais próximo que ela conseguiria chegar das famílias inglesas abastadas e de longas árvores genealógicas. Mas o destino formulou planos que sua cabecinha ingênua e prática jamais seria capaz de imaginar, e, com certeza, não passaria nem perto de um casamento com o marquês de Walderhurst.

FRANCES ELIZA HODGSON BURNETT, A FILHA DO FERREIRO DE DONCASTER

Mais conhecida por seus três romances infantis: O Pequeno Lorde (Little Lord Fauntleroy); Uma Princesinha (A Little Princess) e O Jardim Secreto – reminiscências de um jardim de sua infância, em Salford, Manchester, onde ela morou com sua mãe e mais cinco irmãos –, Frances Eliza Hodgson Burnett fez muito sucesso durante o final do século XIX e início do século XX, e hoje vários de seus livros ainda são populares. Mas que experiências de vida permitiram que Frances escrevesse com tanta familiaridade sobre homens e mulheres da classe trabalhadora, pessoas que lutavam para sobreviver em meio à escassez, mulheres que remendavam seus vestidos para que parecessem novos, como em A Formação de Uma Marquesa, por exemplo?

Vida difícil

Frances nasceu em Cheetham, Manchester, Inglaterra. Depois que seu pai morreu em 1852, a família caiu em circunstâncias difíceis e em 1865 emigrou-se para os Estados Unidos, estabelecendo-se em New Market, Tennessee. Aqui Frances ficou amiga de Swan Burnett, que a apresentou a livros de autores como Charles Dickens, Walter Scott e Thackeray. Frances começou a escrever para ajudar a ganhar dinheiro para a família, publicando histórias em revistas desde os 19 anos. Em 1870, sua mãe morreu e em 1872 ela se casou com Swan Burnett, que se tornou médico. Os Burnett moraram por dois anos em Paris, onde seus dois filhos nasceram, antes de retornar falidos aos Estados Unidos para morar com os sogros em Washington, DC. Burnett então começou a escrever romances, o primeiro dos quais That Lass o Lowrie’s, foi publicado com boas críticas. Mas foi O Pequeno Lorde, em 1886, que fez dela uma escritora popular de ficção infantil, embora seus romances adultos, escritos na década de 1890, sedimentasse esse sucesso.

No início da década de 1880, Burnett começou a viajar para a Inglaterra com frequência e na década de 1890 comprou uma casa lá, onde escreveu O jardim Secreto. Ela também escreveu um livro chamado The Shuttle (O transporte), lançado em 1907, que fala sobre as herdeiras americanas, em busca de um título, que se casavam com aristocratas ingleses empobrecidos e estéreis. O título do livro se refere a navios indo e voltando sobre o Atlântico, uma experiência que a própria Frances Hodgson Burnett possuía de sobra, pois viajou entre os dois países trinta e três vezes, algo muito incomum na época. Mas com tantas viagens, a renda das histórias de Frances não foi suficiente para manter esse estilo de vida, que acabou os levando ao endividamento, levando o casal a morar com os pais de Swan em Washington D.C.

Seu filho mais velho, Lionel, morreu de tuberculose em 1890, o que causou uma recaída da depressão contra a qual ela lutou durante grande parte de sua vida. Ela se divorciou de Swan Burnett em 1898, casou-se com Stephen Townsend em 1900 e se divorciou dele em 1902. Alguns anos depois, ela se estabeleceu no condado de Nassau, Nova York, onde morreu em 1924 e está enterrada no cemitério de Roslyn. Em 1936, uma escultura memorial de Bessie Potter Vonnoh foi erguida em sua homenagem no Jardim do Conservatório do Central Park. A estátua retrata seus dois personagens famosos do Jardim Secreto, Mary e Dickon.

Esta foi a breve biografia de uma autora que conheceu Louisa May Alcott, 1879, que viveu o sucesso, mas também o fracasso; portanto, circulou nos dois mundos, como veremos nos remendos e submundos de Londres descritos em A Formação de Uma Marquesa –, talvez inspirado em bairros pobres em que morara em Manchester e no Tennessee –, e viveu o luxo em seu tempo de sucesso, como veremos emOs métodos de Lady Walderhurst.

O texto acima faz parte da introdução dos livros A Formação de Uma Marquesa e Os métodos de Lady Walderhurst, lançados numa única edição no www.clubedeleitorespedrazul.com.br. Para ter acesso aos livros, o leitor deve assinar o clube e ir à lojinha, exclusiva para assinantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezenove + vinte =

Inscreva-se Em Nossa Newsletter

Receba nossas atualizações e leia o melhor da literatura clássica aqui

Explore Mais

Quer conhecer mais e ter acesso exclusivo!

Assine a melhor literatura clássica disponível no Brasil