Editora Pedrazul, o começo

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A HISTÓRIA REAL POR TRÁS DA FICÇÃO


Você sabia que a Editora Pedrazul foi criada por leitores, e que tem uma história por trás das centenas de histórias já publicadas, uma história real?


Foi numa noite fria, numa conversa informal entre amigos que a “semente” de uma editora específica para clássicos foi plantada. No grupo havia uma “pessoa” que sonhava em ler os livros de Charlotte Brontë, àquela época, em 2012, sem traduções no Brasil. Existia apenas Jane Eyre, mas não havia nenhuma tradução de Villette, tampouco de Shirley, e uma tradução muito antiga de O Professor, que, por sinal, a edição que a “pessoa” possuía não continha as páginas finais.


Sem conhecer nada do mercado editorial, mas movida pelo amor pelos clássicos ingleses, essa pessoa, Chirlei Wandekoken, juntou-se a mais pessoas, Eduardo Barbarioli e Júlio Cesar, com o mesmo amor elos livros, e começou a nascer uma editora, cujo nome seria “Sítio dos Livros”. Mas, pelo local em que a primeira conversa aconteceu, um dos sócios sugeriu que o nome da editora fosse “Pedrazul”, inspirada na Pedra Azul, ou Pedra do Lagarto, situada em Domingos Martins, região serrana do Espírito Santo. O primeiro clássico lançado pela Pedrazul foi Villette, de Charlotte Brontë, em 2014, dois anos após a fundação da editora. Logo em seguida veio Shirley, da mesma autora, e O Professor, não por acaso, foi o livro que inaugurou o clube de leitores da Pedrazul, www.clubedeleitorespedrazul.com.br, fundado em julho de 2019.

Pedra do Lagarto em Pedrazul ES, a historia real por tras da ficcao
Pedra do Lagarto em Pedra Azul ES.

Muitos livros inéditos chegaram


De lá para cá, centenas de clássicos inéditos chegaram ao Brasil. As influências de Jane Austen, autores como Samuel Richardson com Pamela; Susannah Minifie Gunning com Abadia de Barford; Frances urney com Evelina e Cecilia. Do primeiro, Austen retirou o “modelo” para Mr. Darcy; e do último, o título para Orgulho e Preconceito. Regina Maria Roche com Os Filhos da Abadia; Ann Radcliffe com Os Mistérios de Udolpho ( Volume 1 | Volume 2 ) e Um Romance na Sicília; e Maria Edgeworth com O Castelo Rackrent, Belinda e Leonora. Chegou ainda A Mulher Quixote, ou Arabella, de Charlotte Lennox, um livro lido e muito comentado por Jane Austen.


De autores vitorianos, a Pedrazul trouxe Feira das Vaidades de Thackeray; A Pequena Dorrit, de Charles Dickens, e vários livros de Wilkie Collins, entre eles A Mulher de Branco, A Pedra da Lua, A Dama e a Lei, A Pobre Senhorita Finch, O Dinheiro de Minha Senhora etc. Autoras da Era Vitoriana, como Charlotte Smith com Emmeline; trouxe todo o acervo de Elizabeth Gaskell, uma autora inglesa importantíssima, que
escreveu a biografia A Vida de Charlotte Brontë, também lançada pela Pedrazul.


De Gaskell, lançamos de forma inédita no Brasil: Cranford, Ruth, Os Amores de Silvia, Prima Phillis, Uma Noite Escura, O Chalé de Moorland, Confissões do Sr. Harrison, Minha Lady Ludlow e Esposas e Filhas; além do famoso Norte & Sul (Margaret Hale), que lançamos com duas capas e dois títulos: Margaret Hale e Norte & Sul. Mrs. Henry Wood, autora de O Pecado de Lady Isabel e Anne Hereford, o primeiro um best-seller vitoriano e o segundo inspirado em Jane Eyre. Obras-primas inesquecíveis! De George Eliot (Mary Ann Evans), a Pedrazul trouxe uma belíssima edição de Middlemarch com capa dura, numa tradução fluida, uma obra-prima universal, e O Moinho à Beira do Rio Floss.

Autores nunca lançados no Brasil, como Mary Elizabeth Braddon, com O Segredo de Lady Audley; e Margaret Oliphant, com Hester. Thomas Hardy com Tess, Longe Deste Insensato Mundo, O Retorno do Nativo e Sob a Árvore Verdejante.

Outros Clássicos


Não foram somente para os clássicos ingleses que a Pedrazul voltou seus olhos, mas também para a literatura clássica americana e para a canadense. De autoras como Louisa May Alcott, trouxe Homenzinhos; Os Rapazes da Jo e Uma Moça à Moda Antiga. De Jean Webster, obras como Sempre sua, Judy (Papai Pernilongo) e Querido Inimigo. Da canadense Lucy Maud Montgomery a editora foi a pioneira a trazer a série de Anne de Green Gables, muito antes da série da Netflix.


De autoras como Edith Wharton, a Pedrazul trouxe Verão; de Virginia Woolf, Noite e Dia; de Frances Hodgson Burnett trouxe A Formação de uma Marquesa e Os Métodos de Lady Walderhust.

Clássicos preciosos


E muitas preciosidades vêm por aí, autoras como Willa Carther com Os Pioneiros; Anthony Trollope; Eliza Haywood; Frances Sheridan; Susan Ferrier; Margaret Oliphant; Juliana Horatia Ewing; Charlotte Yonge. R. D. Blackmore. Mais de Frances Hodgson Burnett; mais De George Eliot; mais de Charles Dickens; mais de Thomas Hardy; mais de Collins; mais de Frances Burney e muitas autoras e autores desconhecidos pelos leitores do Brasil!


Foi uma conversa que rendeu, não foi? E você? Não vai ficar de fora dessa história, não é? Venha fazer parte do www.clubedeleitorespedrazul.com.br, onde os amantes de clássicos se reúnem! Conheça os livros disponíveis em nosso site: www.pedrazuleditora.com.br. Ajude-nos a continuar escrevendo essa história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois × um =

Inscreva-se Em Nossa Newsletter

Receba nossas atualizações e leia o melhor da literatura clássica aqui

Explore Mais

ADAM BEDE, DE GEORGE ELIOT

Adam Bede, o romance de estreia de George Eliot, conta uma história de amor na Inglaterra rural do século XVIII. Adam Bede é um jovem

Quer conhecer mais e ter acesso exclusivo!

Assine a melhor literatura clássica disponível no Brasil