Glória da Manhã, de LaVyrle Spencer

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Capa do bestseller do The New York Times

Glória da Manhã se passa na cidade de Whitney, na Georgia, local em que mora Eleanor, a quem chamavam de “a louca viúva Dinsmore”. Eleanor era mãe de dois meninos e estava grávida do terceiro. Sem ter como cuidar do sítio, dos animais, e de rachar lenha para o rigoroso inverno que se aproximava, desesperada, coloca um anúncio no jornal da cidade: PROCURA-SE UM MARIDO. Precisa-se de um homem saudável, de qualquer idade, disposto a trabalhar bastante e compartilhar o lugar”.

Glória da Manhã, que é o nome de uma planta, traz também Will Parker, que tinha passado os cinco últimos anos na prisão por ter matado uma prostituta para defender seu único amigo da morte, mas a justiça não encarou seu ato como uma boa ação. Sem ter onde morar, comer, e usando uma calça e uma camisa que ele havia acabado de “pegar emprestado” num varal da cidade, candidata-se a marido de Eleanor.

A contracapa traz a planta chamada Glória da Manhã

Um romance mais que original

Glória da Manhã traz o amor nos olhos de um estranho…

Eleanor Dinsmore, filha de uma mãe solteira – uma grande vergonha para aquela época –, sempre se sentira deslocada, exceto na floresta, em meio às aves e aos bichos. Ela havia crescido em um lar disfuncional, numa velha casa, sob o olhar rigoroso de avós excêntricos. Agora, ela estava viúva, com dois meninos pequenos para criar – e um terceiro filho a caminho –, e ninguém que a ajudasse a cuidar da propriedade em ruína.

Em 1941, Will chegou em Whitney, na Georgia, na esperança de deixar seu passado solitário para trás. Ele ansiava pela ternura que nunca tinha conhecido e por uma casa que nunca tinha tido. Tudo o que ele precisava era de alguém para lhe dar uma chance. Então, ele leu o anúncio: PROCURA-SE UM MARIDO. E quando Will Parker atravessou o quintal desordenado de Elly Dinsmore, ele sabia que, finalmente, tinha voltado para casa.

Lavyrle Spencer

Lavyrle Spencer é uma romancista contemporânea e histórica que escreveu doze best-sellers do New York Times, entre eles Os Doces Anos e Glória da Manhã. Seja no Velho Oeste ou no atual subúrbio de Minnesota, um romance de Spencer significa ver o amor sob uma nova luz e conhecer personagens tão reais que é como se entrássemos nas páginas. Vários livros de Spencer foram transformados em filmes, entre eles Glória da Manhã. Em 1988, ela foi incluída no Hall da Fama dos Escritores Românticos da América. Lavyrle Spencer mora com o marido, Dan, em North Oaks, Minnesota. Até a aposentadoria, em 1997, quando parou de escrever no auge de sua carreira, Spencer havia publicado 24 livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

catorze + 1 =

Inscreva-se Em Nossa Newsletter

Receba nossas atualizações e leia o melhor da literatura clássica aqui

Explore Mais

ADAM BEDE, DE GEORGE ELIOT

Adam Bede, o romance de estreia de George Eliot, conta uma história de amor na Inglaterra rural do século XVIII. Adam Bede é um jovem

Quer conhecer mais e ter acesso exclusivo!

Assine a melhor literatura clássica disponível no Brasil